BIOMASSA DE BANANA VERDE

Para muitos o nome da receita soa em chinês, o mesmo que me aconteceu a mim. Este fim de semana passado conheci a Karen, uma nutricionista espetacular que me ensinou muitas coisas sobre alimentação… cada vez que vou usar açúcar branco eu tenho na minha cabeça” isso é veneno”, “por que você vai usar algo que te faz mal?”
De tudo o que me ensinou não sabia por onde começar a mostrar a vocês, assim que o melhor é começar por biomassa.

Antes de dizer como se faz a biomassa, alguns pequenos dados, que pode nos proporcionar, reduzir o colesterol, prisão de ventre e ajuda a eliminar toxinas, isso só é um pequeno ponto dos benefícios da polpa da banana verde, a qual não tem sabor algum e pode ser usado em batidos, biscoitos, etc. É suficiente duas colheres de sopa por dia, não mais.

Agora sim, eu mostro tudo o que me ensinou Karen e o que me contou.

INGREDIENTES

  • 6 ou 7 bananas verdes
  • Água
  • Óleo para untar a panela de pressão

Preparação:

  1. As bananas têm que estar bem verdes, se estão um pouco maduros não vale porque já terão açúcar.
  2. Não se deve descartar nada, isso me marcou muito, não retire as pontas e olhar se não tenham a casca danificada.
  3. Primeiro unte com um papel de cozinha a panela e a tampa onde ele ia fazer, pegue água e ponha para ferver, enquanto isso, lave bem as bananas.
  4. Quando a água começa a ferver, colocar as bananas e cubra, uma vez que soe deixar 10 minutos (embora dependendo da panela pode bastar 8 minutos).
  5. Passado o tempo abrimos a panela e tiramos as bananas.
  6. Tirar a casca, retira-se muito bem, saem sozinhos, isso deve-se fazer enquanto estiverem quentes.
  7. Colocamos a banana sem casca no copo do liquidificador e adicione um pouco de água (meio copo).
  8. Se tiver muito grosso pode adicionar um pouco de água e continuamos batendo.
  9. Pare quando tiver ao seu gosto

Dicas

  • Tenha uma esponja ou escova de dentes usada apenas para lavar e limpar a fruta.
  • A biomassa não tem sabor nenhum, o que há é o de adquirir o sabor dos ingredientes da receita que está fazendo.
  • A biomassa dura 7 dias na geladeira ou também pode congelar, para congelar ela deixa-se esfriar e, em seguida, curte como cubos e coloque em sacos para congelar.

A partir daqui, muito obrigado a Karen pelo seu tempo e por tudo que me ensinou tão novo para mim, ela é nutricionista e coaching nutricional.

Como comprar um fone de ouvido

 

Quando quiser ouvir a sua música favorita em um espaço mais íntimo, sem perturbar a família ou vizinhos, apesar de colocá-la em um volume elevado, os fones de ouvido de alta-qualidade são a opção mais recomendável, já que oferecem um cenário próprio para desfrutar de suas sessões audiófilas.

O problema surge na hora de escolher o modelo ideal. Nas lojas encontramos uma multidão de fones de ouvido que se definem como de “alta fidelidade” embora não chegam a ser, com algumas especificações são muito bons, mas que depois não dão retorno. O que eu tenho que fixar para escolher meu próximo fone de ouvido wifi?

Formas, materiais e design

Há fones de ouvido para todos os tipos de gostos, com muito variados desenhos e estruturas. Por exemplo, de acordo com a forma de seus ouvidos podem ser do tipo earphones ou botão, que são colocados dentro de nossos ouvidos, são muito pequenos, baratos e vêm de série com muitos players portáteis e telefones celulares. São interessantes se você está procurando algo leve e confortável, mas não se pretende obter uma experiência de alta-qualidade.

Temos também os do tipo in-Ear, parecidos com os earphones mas com um design que permite inserir o fone de ouvido no canal auditivo. Isolamento do ruído exterior, mas você tem que saber colocá-los bem, para dar com uma almofada de seu tamanho ou você perderá parte dos graves com facilidade.

O terceiro grande grupo é o dos fones de ouvido do tipo supraaural, geralmente em formato de diadema e que se sustentam sobre nossos ouvidos. Costumam ser confortáveis, relativamente leves e com uma boa qualidade de som, mas não oferecem uma capacidade de isolamento tão boa como o último grupo, os fones de ouvido circulares.

De maior tamanho, são capazes de coletar todo o pavilhão auditivo, no seu interior, e contam com drivers de dimensões maiores, o que lhes permite atingir uma posição de reprodução de frequência muito mais rico com níveis de potência elevados e sem distorcer. Se você procura uma experiência autêntica, este deve ser o seu projeto preferido.

Muito bom, já me decidi por um modelo circumaural, mas agora vejo que há dois grandes subgrupos: com dossel aberto (são aqueles que têm microperforaciones nos pavilhões) e com dossel fechado. Quais são as diferenças?, qual é melhor?

Em um modelo de tipo fechado, o transdutor está dentro de um compartimento selado, enquanto que em um aberto se comunica com o exterior através de uma série de pequenos furos, que deixam escapar das ondas de som.
Isso permite que se mova com mais liberdade, minimizando ressonâncias dentro da caixa acústica e obtendo um som mais limpo, claro e nítido nas frequências médias-agudas e graves mais controlados, ainda que menos profundos do que os modelos fechados.

Com qual eu fico? O principal problema dos fones de ouvido abertos é que através dos furos vai fugir um pouco do som e vai entrar também o ruído do exterior. Ou seja, se reduz a capacidade de aislarte do ambiente e se há alguém mais contigo no quarto pode ouvir claramente o que você está ouvindo. Por isso, se onde você vai usá-lo normalmente, estás sozinho, sem ruídos de fundo, escolha um modelo aberto. Se, pelo contrário, você vai estar com mais pessoas, com tv de fundo, irritantes vizinhos, etc, então você precisará de um fechado.

Especificações técnicas

650 1200
Uma vez que já sabemos mais ou menos o tipo de fone de ouvido que queremos chegar a sua vez de verificar o enorme lista de especificações técnicas que nos dão os fabricantes. O que nos olha? Para começar a impedância, medida em ohms (ohm), que é a encarregada de indicar-nos a resistência à passagem da corrente elétrica.

Se é demasiado elevada poderíamos ter problemas de falta de potência, necessitando de um amplificador mais potente para atingir o nível de pressão sonora desejada. O normal é que um modelo entre os 16 e 60 ohm podemos atacá-lo com qualquer amplificador que temos em casa sem problemas.

O próximo ponto importante é a sensibilidade (dada em dB). Indica como vai facilitar será de excitar o transdutor e nos dá uma ideia de que potências máximas poderemos ouvir. Cada vez que subimos 3 dB na sensibilidade significa que precisamos de mais da metade da potência do amplificador para obter a mesma pressão sonora. Assim, um fone de ouvido com uma sensibilidade de 100 dB precisaria de metade da potência que um de 97 dB para oferecer o mesmo volume (supondo-se que têm a mesma impedância).

Você deve estabelecer em aspectos como a impedância (medida em ohms), a sensibilidade (dada em dB) e a faixa de frequências (expresso em Hz)
Também há que fixar-se na faixa de frequências que abrange o fone de ouvido. O ideal é que cubra toda a faixa audível por um humano médio (de 20 Hz a 20 KHz), algo que, na prática, muito poucos modelos alcançam a potências elevadas e sem distorção.

Tens de verificar, além disso, o tamanho e o número dos transdutores, que se encarregarão de transformar o sinal elétrico em som. Quanto maiores forem, melhor será a reprodução de frequências graves. Além disso, se têm um driver para graves e outro para as agudas, o resultado será um som mais limpo e preciso.

O Modelo com fio ou sem fio? No caso das sessões audiófilas o melhor é optar por um fone de ouvido fiação que não introduza nenhum tipo de interferência ou a uma redução da qualidade do sinal. No entanto, os atuais modelos sem fios melhoraram muito e se você não vive em um meio com muitas interferências (por exemplo, roteadores, sistemas de áudio, fones de ouvido, telefones celulares e portáteis, etc.), em geral, não deverá notar muitas diferenças.

Muito bom, mas depois desse rolo ainda estou indeciso, não poderia recomendar algum modelo em especial com o que apreciar a minha música ao mais alto nível?